22 março 2007

Cientista da informação não é um profissional da informação

Por Jonathan Pereira

Não é coerente, admissível, sensato, racional, ético, moral, correto, profissional e legal que tal fato, abaixo descrito, possa ser compreendido e aceito de forma natural ou forçada por qualquer profissional, ou então, por qualquer pessoa que detém em seu espírito de vida valores como: a moral, a sinceridade, a honestidade, o profissionalismo e a sensatez.

Ao final de 2006 tive a informação, ainda muito informal, de que todos os registros concedidos pelo Conselho Federal de Biblioteconomia da 8ª Região (CRB-8) aos profissionais da informação, denominados "cientistas da informação", haviam sido cancelados. O motivo declarado pelo CRB-8 para esta ação referente a todos, isso mesmo, todos os cientistas da informação formados a partir de 2004 pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) foi de que: o profissional cientista da informação não era considerado por esse conselho como profissional da informação, e que por isso, não poderia ser representado por tal conselho.

De um lado, o CRB-8 que deveria ser representante de todos os profissionais da informação, dar orientações aos seus representados, agir de forma pró-ativa frente ao mercado de trabalho e assessorando esses profissionais, age de forma arbitraria, irresponsável e ilegal, cancelando todos os registros, provisórios ou definitivos, dos formandos do curso de "Ciência da Informação com habilitação em biblioteconomia" da PUC-Campinas a partir de 2004, e não emitindo novos registros para os egressos do curso.

Como já sabemos, os conselhos profissionais existem no papel de uma forma perfeita, onde o profissional é o principal foco dos conselhos, que lutam e defendem seus interesses perante o mercado de trabalho. No caso do CRB-8, o ponto em comum entre, a definição de um conselho profissional de classe que está no papel, e a prática, é um só: a cobrança da anuidade. Esse ponto por sinal, merece todos nossos aplausos e reverência, pois é feita de forma magistral, havendo uma logística ideal que qualquer multinacional invejaria. Pontualidade no envio dos boletos, informações de como proceder para o pagamento, enfim, algo realmente merecedor de destaque por parte do CRB-8.

Mas infelizmente nossa "alegria" com tamanha eficiência, profissionalismo, rapidez, informações claras e precisas termina por ai. Como se não bastasse à mediocridade do fato mencionado acima, que por si só causa uma vergonha profunda em relação ao conselho que deveria nos proteger, agem de forma arrogante e ilegal com nós, cientistas da informação, retendo documentos profissionais e pessoais dos formandos, além de não explicitarem veridicamente e com clareza o que está acontecendo, o motivo que levou a tomada de decisão de uma forma tão arbitraria e abrupta. Enfim, dizem que para se resolver o problema, basta a PUC-Campinas mudar a nomenclatura do curso para que os problemas sejam resolvidos prontamente.

Porém de forma oficial, nada mudou, nós cientista da informação continuamos sendo representados pelo CR-8 e nossa documentação continua perfeitamente correta para podermos atuar como profissionais da informação em todo o Brasil. Afinal, o CRB-8 em nenhum momento enviou uma carta, um e-mail, fez um telefonema para avisar aos não mais profissionais da informação que tal atitude havia sido tomada, e neste caso, esqueceram de lançar mão da logística "eficiente" existente dentro do CRB-8, afinal, o assunto não é relevante, é um mero detalhe e de problema exclusivo da PUC-Campinas e de seus formandos, não tendo nenhum vinculo direto ou indireto com o CRB-8.

Além de todos os "adjetivos" mencionados acima, ainda não citei a amnésia presente em todo o alto escalão do conselho. Em 2005, o mesmo conselho que hoje diz "não representar um cientista da informação, por esse não ser um profissional da informação" me concedeu o registro provisório, e posteriormente, o registro definitivo, me reconhecendo como um profissional da informação, e rechaçando que eu, cientista da informação, estava em pleno gozo de todos os direitos e deveres de tais profissionais.

De outro lado, está a PUC-Campinas, uma instituição de reconhecimento nacional e internacional, pela sua tradição e qualidade de seus cursos. Em 2001, em uma reformulação feita na faculdade de biblioteconomia, o curso que antes chamará "Biblioteconomia" passou a se chamar "Ciência da Informação com habilitação em Biblioteconomia", passando a ser reconhecido pelo Ministério da Educação com um curso de nível superior. Passados seis anos dessa reformulação, a faculdade e a universidade, depara-se com uma situação nada agradável, ao ver o seu segundo curso mais antigo da casa, com mais de 60 anos de história, fazendo parte direta de uma decisão irresponsável propiciada pelo CRB-8. De certa forma, a PUC-Campinas também foi vítima dessa história, mas como instituição formadora desses profissionais, e um elo direto e fundamental para a resolução do problema, não está dando o devido valor, ou amparo, para aqueles alunos que dedicaram 4 anos de suas vidas, de forma dispendiosa, sacrificante e dedicada, e desta forma, está saindo do banco das testemunhas, passando ao banco dos réus, juntamente com o CRB-8.

E claro, o maior palhaço dessa história, ou se preferirem, os "João Bobo" da vez, que faz parte sem querer e sem saber o porque desse emaranhado de erros, arrogância, irresponsabilidade, incoerência, insensatez, arbitrariedade, desonestidade, ilegalidade e desrespeito somos nós, os cientistas da informação, que lutam pelo reconhecimento e admiração de seu trabalho, e que também lutam para que sua dignidade e seu direto de exercer sua profissão sejam respeitados.

5 Comments:

At 22 março, 2007 09:46, Anonymous Ana Lúcia Siqueira S.Ciocci said...

Jonathan, tudo bem?
Lamento muito que tenha sido necessário vc. escrever esse artigo... seria tão bom que aqui estivesse: "sobram empregos e faltam profissionais da informação", "ou que as empresas e instituições não mais sobrevivem sem o profissional da informação"...

Parabenizo-o pelo texto, pq. vc. relata o dilema que estamos vivendo. E parabenizo-o também por ter coragem de escrever e dar "nomes aos bois".
Vamos lá, colega! Vamos lutar!
Estamos iniciando uma frente de batalha para resolver essa questão. E vc. já deu o primeiro passo, divulgando nossa situação.
Parabéns, parabéns, parabéns!
Um abraço,
Ana Lúcia

 
At 22 março, 2007 11:40, Blogger Tatiane said...

Jonathan, tudo bem?

Adorei seu relato sobre a situação qu e estamos vivendo q não é fácil, mas com certeza demore o tempo q durar conseguiremos reverter essa situação tão ridicula q estamos sendo obrigados a conviver e impressionante como o CRB e a PUC consegue cobrar prontamente, ainda tenho pendencias com a PUC das dps q fiz, se acredita e me enviaram um carta, conclusão liguei lá e falei q enquanto não resolverm minha situação não irei regularizar pois não estou trabalhando e o cara na maior cara de pau me disse q eles não estavam cients do problema q logo mais a divida será um processo judicial pq o SERVIÇO FOI PRESTADO...Agora pergunto do q adianta o serviço ser prestado se no momento q preciso usufluir disso, não posso?!?!?!

A luta não está sendo fácil, mas vms vencer.

Meu e-mail: tatiansalles22@yahoo.com.br

 
At 27 março, 2007 09:36, Anonymous flavia s. lobo said...

Caros Colegas
Estou chegando de Brasilia de um treinamento aobre Ética profissional do CFB... infelizmente os comentarios no blog e dos comentaristas sao totalmente ofensivos a entidade de classe e aos seus membros.. Estamos disponiveis no CRB 8 para esclarecer a situaçao... nao esqueçam que esses ofensas podem gerar um processo ético culminando na cassaçao de registro de profissional bibliotecario ... A situaçao está sendo muito bem estudada pelo CRB8 e CFB e agressivade e insultos nao fazem crescer nem o profissional nem a entidade...
Atenciosamente
Flavia da Silveira Lobo
CRB8 1187
Comissao de Etica Profissional
CRB8 14a. Gestao

 
At 29 março, 2007 22:30, Anonymous Anônimo said...

Para essa questão de Profissional da Informação ou Cientista da Informação eu penso o seguinte: Primeiro: isso para mim não passa de um caso atípico(não é muito comum, que se afasta do normal); Segundo: confundiram alho com bugalho; Terceiro: O cientista da informação é aquele que vive em função de novas teorias, novos paradgmas etc; Quarto: O Profissional da Informação é aquele que utiliza as técnicas (tecnicista) para trabalhar a informação; Quinto: em fim, o que vale mesmo para o Cmpo da C.I são os artigos que são produzidos, isso sim é a praia dos Cientistas da Informação. Talvez o Conselho ai de Brasília so reconhece aqueles nos quais só usam técnicas (Profissionais da Informação), mas esqueceram dos teóricos, que aqui no Brasil são pouco valorizados.
Podemos continuar com a questão Profissionais da Informação ou Cientistas da Informação, quais as diferenças existentes.
Como já disse, meu ponto de vista prevalece sobre os teóricos. Ai sim depois vem os tecnicistas. Concorda que primeiro estudamos as teorias para depois aprendermos como funcionam as técnicas.

 
At 11 novembro, 2011 08:34, Anonymous Logo Design said...

It's really beautiful work.Thanks for this kind of stuff.I mean I am totally impressed.Hope to see more updated work here.I have to say, it is very informative.

 

Postar um comentário

<< Home